Mais de 400 torres eléctricas vandalizadas a nível do país

Mais de 400 torres eléctricas foram vandalizadas no país, segundo o coordenador do projecto Kiluezo e director de manutenção da Rede Nacional de Transporte de Electricidade, Lourenço de Carvalho.

O facto foi anunciado em Caxito, província do Bengo, durante a palestra sobre faixas de servidão das linhas de transporte de electricidade, realizada pela Empresa de Rede Nacional de Transporte de Electricidade - EP, no âmbito do projecto Kiluezo, que visa sensibilizar a população no sentido de cuidar os bens públicos e denunciar os que tentam destrui-los.

O coordenador do projecto Kiluezo disse que Luanda, Uíge, Zaire, Cuanza-Norte e Moxico são as províncias mais afectadas com actos de vandalização de torres eléctricas.
Adiantou que a Empresa de Rede Nacional de Transporte de Electricidade - EP teve prejuízos de milhões de kwanzas, tendo-se registado também a morte de dois cidadãos nas províncias do Cuanza-Norte e do Zaire.
De acordo com Lourenço de Carvalho, a campanha de sensibilização visa informar, formar e educar a população sobre os cuidados a ter diante das linhas de média, baixa e alta tensão.
“Este projecto visa mitigar os problemas ligados à vandalização de torres eléctricas, bem como a obstrução das faixas de servidão com a construção de habitações debaixo das linhas de alta tensão, impossibilitando a manutenção do património do Estado, que serve para fazer chegar energia eléctrica à população”, disse.
Avançou que o projecto Kiluezo vai ser extensivo a todo o território nacional, para que todos estejam informados e tenham educação e sensibilidade sobre como lidar com as linhas de alta tensão, onde o Estado tem investido valores avultados.
Lourenço de Carvalho disse ainda que a campanha do projecto Kiluezo teve início em 2019, na província do Cuanza-Norte, seguindo-se Luanda e encontra-se agora em curso no Bengo.
O vice-governador para Área Técnica e Infra-Estruturas, Agostinho da Silva, disse, durante a abertura da campanha de sensibilização do projecto Kiluezo, que, quando não se tomam as devidas precauções, a energia pode pôr em risco a vida das pessoas, acrescentando que a análise e a gestão de risco constituem a base para prevenir acidentes eléctricos.
Actualmente, ainda de acordo com o vice-governador, as faixas de servidão das linhas de transporte de electricidade das zonas urbanas e periurbanas estão a ser ocupadas com edifícios de diversa natureza e, nos últimos tempos, os cabos de cobre têm sido roubados.
A palestra abordou temas como as faixas de servidão e segurança, distâncias de segurança, prevenção, riscos e a necessidade da electricidade para a civilização.


Categoria:Internacional

Deixe seu Comentário