Músico e opositor ruandês Kizito Mihigo encontrado morto na cela

Depois de ter sido perdoado, em 2018, da acusação de conspiração para assassinar o Presidente do Ruanda, Paul Kagame, em 2015, voltou a ser preso por suspeitas de tentar fugir do país.

O popular músico ruandês Kizito Mihigo, considerado culpado de conspiração para assassinar o Presidente do seu país, Paul Kagame, em 2015, foi hoje encontrado morto na prisão onde se encontrava, na capital do Ruanda, disseram as autoridades.

Kizito Mihigo, 38 anos, um dos sobreviventes de etnia tutsi do genocídio de 1994 naquele país, que matou mais de 800.000 pessoas entre tutsis e hutus moderados que tentaram protegê-los, terá sido encontrado morto, às primeiras horas da manhã, disse a polícia numa declaração.

O relato oficial sobre a morte do músico está a gerar algum ceticismo, num país onde o Governo é, frequentemente, acusado de atacar os críticos assumidos.

Descrito por muitos como o maior ícone cultural do Ruanda e um católico devoto, conhecido pelas canções que promovem a ajuda e o perdão, Mihigo tinha sido perdoado em 2018, mas voltou a ser preso na semana passada.

A polícia alegou que ele estava a tentar fugir para o vizinho Burundi para se juntar a grupos que lutam contra o Governo ruandês.

"Por isso, encontrava-se detido há três dias, enquanto a polícia investigava por que estava a atravessar ilegalmente a fronteira e casos de suborno", disse o porta-voz da polícia, Eric Kabera, num comunicado hoje sobre a morte do músico.

A polícia disse que Mihigo tinha sido autorizado a encontrar-se com membros da sua família e com o seu advogado.

Fonte da Agência de Investigações do Ruanda disse, na quinta-feira, na rede social Twiter, que os órgãos de segurança do país tinham entregado Mihigo, alegando que as acusações contra ele incluíam a travessia ilegal para o Burundi para se juntar a grupos terroristas e por corrupção.

Mihigo foi preso em 2014 e condenado no ano seguinte a 10 anos de prisão, depois de ter sido considerado culpado de conspiração para assassinar ou prejudicar Kagamé e outros líderes do Ruanda.

Kizito Mihigo declarou-se culpado dos crimes

O músico também foi condenado por cumplicidade em tentativa de derrubar o Governo e por conspiração para formar alianças com grupos com o intuito de desestabilizar o país.

Kizito Mihigo declarou-se culpado de todas as acusações, levando o juiz a dizer que lhe foi dada uma sentença indulgente, porque o arguido teria facilitado o trabalho do tribunal.

Em 2018 foi perdoado por Kagamé, juntamente com o líder da oposição do Ruanda, Victoire Ingabire. Mas na semana passada, a polícia disse que a sua tentativa de fuga constituiu uma violação das condições da ordem presidencial, o que significa a revogação do perdão.

FONTE/A24

Categoria:Musica

Deixe seu Comentário