Boris Johnson promete Brexit a qualquer custo

O polêmico primeiro-ministro britânico Boris Johnson prometeu, neste domingo (29), concretizar o Brexit a qualquer custo em 31 de outubro, antes do início da conferência anual de seu Partido Conservador em Manchester, em pleno caos político no Reino Unido.

Enquanto a divisão prevalece em torno da saída do país da União Europeia (UE), Johnson disse que “a melhor maneira de acabar com isso é cumprir o Brexit em 31 de outubro, e fazer com que o país siga em frente”, em uma entrevista à BBC.

Johnson, que conta com o amplo apoio das bases de seu partido, chegou ao poder em julho comprometendo-se a aplicar o Brexit – decidido por 52% dos britânicos no referendo de 2016 – mesmo sem um acordo de divórcio com a UE.

Apesar da oposição aberta do parlamento a uma saída brutal, Johnson não nega suas promessas e trava uma guerra aberta com os deputados.

“O Partido Conservador terá que demonstrar uma posição agressiva e unida sobre o Brexit” em seus quatro dias de congresso, disse à AFP Constantine Fraser, analista do gabinete de estudos TS Lombard.

– Bumerangue –

A política agressiva de Boris Johnson teve um contraproducente efeito bumerangue para ele.

Ele suspendeu o Parlamento, mas os deputados votaram com urgência uma lei que o obrigaria a pedir a Bruxelas um novo adiamento de saída em caso de falta de acordo sobre o Brexit.

Além disso, os legisladores conseguiram com que a Suprema Corte considerasse nula a decisão de suspender o Parlamento, voltando assim aos trabalhos.

Boris Johnson foi muito criticado esta semana por sua agressividade contra a Câmara dos Comuns.

“Acho que todos devemos nos acalmar”, disse o primeiro-ministro à BBC, declarando-se, porém, um “modelo de moderação”.

Johnson também acusou seus oponentes de esconder suas intenções – impedir o Brexit – por trás de uma “grande nuvem de indignação”.

Disse ainda que havia “boas chances” de alcançar um acordo com Bruxelas, mesmo que as negociações com a UE não estejam avançando.

Johnson “baseia sua credibilidade em uma saída da UE em 31 de outubro, e é difícil saber como ele conseguirá. Sua resposta é brigar (…) e agravar o confronto”, prevê Constantine Fraser.

– Estratégia –

Mas a estratégia de Johnson parece dar resultados. Duas pesquisas publicadas pela YouGov e Opinium esta semana dão aos conservadores entre 11 e 12 pontos de vantagem sobre o Partido Trabalhista.

Prova do confronto com o Parlamento é que Boris Johnson pode não comparecer à tradicional sessão de perguntas ao primeiro-ministro de quarta-feira na Câmara dos Comuns e, em vez disso, proferir o discurso de encerramento do congresso de seu partido.

Um gesto de retaliação contra os deputados, que se recusaram a dar um breve recesso aos conservadores para que pudessem comparecer ao congresso em tempo integral.

Nesse contexto, muitos observadores britânicos consideram inevitável eleições antecipadas nos próximos meses.

Johnson também corre o risco de ser investigado por causa de suas relações com uma empresária americana, Jennifer Arcuri, que se beneficiou de fundos públicos quando ele foi prefeito de Londres.

O Sunday Times afirma que os dois tiveram um relacionamento e que Johnson não declarou possíveis conflitos de interesse. “Tudo foi feito como deveria ter sido”, respondeu o primeiro-ministro.

FONTE/ISTOE

Categoria:Internacional