Líderes europeus acusam Irã por ataques à Arábia Saudita e pedem diálogo

Os dirigentes de França, Alemanha e Reino Unido, Emmanuel Macron, Angela Merkel e Boris Johnson, respectivamente, responsabilizaram o Irã, nesta segunda-feira (23), pelo ataque de 14 de setembro contra uma instalação petrolífera na Arábia Saudita, e exigiram que Teerã evite qualquer nova provocação.

Macron, Merkel e Johnson apoiaram os Estados Unidos em suas conclusões sobre a autoria do ataque a Abqaiq, a maior refinaria de petróleo do mundo, e o campo petrolífero de Jurais.

“Está claro para nós que o Irã é responsável por este ataque. Não há outra explicação”, declararam em um comunicado conjunto ao final de uma reunião tripartite, celebrada à margem da Assembleia Geral da ONU, em Nova York.

Os três países – que se mantêm no acordo internacional sobre a energia nuclear iraniana do qual Trump retirou os Estados Unidos em 2018 – disseram que a solução é a diplomacia.

“Convocamos o Irã a se comprometer (…) com o diálogo e se abster de qualquer nova provocação e escalada”, disseram.

“Os ataques também ressaltam a necessidade de uma desescalada na região, de esforços diplomáticos concretos e de um compromisso de todas as partes”, reforçaram.

CREDITOS/ISTOE

Categoria:Internacional