FaceApp: aplicativo que faz você envelhecer e que está a recolher dados dos utilizadores

A aplicação, que está a liderar tops de downloads, admite na sua política de privacidade que constrói uma base de dados dos utilizadores quando estes utilizam os filtros e outras funcionalidades.


Chama-se FaceApp e escalou os tops de downloads nas lojas de apps. A aplicação tornou-se viral porque prevê a nossa aparência quando formos mais velhos ou até mesmo se tivéssemos um corte de cabelo ou cor de olhos diferente. O sucesso tem motivado alertas de especialistas: a empresa russa Wireless Lab, criadora da app, tem vindo a recolher informações sobre os utilizadores e a construir uma enorme base de dados à custa de filtros e outras funcionalidades. E o mais importante: com a autorização dos mesmos.

Nos últimos dias várias foram as imagens partilhadas nas redes sociais que mostram, através de um filtro de envelhecimento, qual será a aparência dos utilizadores quando forem mais velhos. Através da inteligência artificial, esta app – actualmente em primeiro lugar na lista geral da Google Play e no mesmo posto na categoria de fotografia e vídeo da App Store – disponibiliza ainda aos seus utilizadores várias outras funcionalidades para transformarem a sua cara.

app e empresas parceiras têm vindo a reunir assim um conjunto de informação sobre os utilizadores, com a sua autorização, nomeadamente no que diz respeito ao histórico de navegação do browser.

Na política de privacidade, os criadores da aplicação especificam que os utilizadores, ao fazerem download da app, estão a concordar em fornecer “directamente” fotografias e outros materiais que publicam através daquele serviço, assim como o histórico de navegação. “Usamos ferramentas de análise de terceiros para nos ajudar a medir o tráfego e as tendências de uso do serviço. Estas ferramentas reúnem informação enviada pelo seu dispositivo ou pelo nosso serviço, incluindo as páginas web que visita, add-ons, e outra informação que nos ajude a melhorar o serviço. Reunimos e usamos esta informação analítica juntamente com informação analítica de outros utilizadores, para que não possa ser usada para identificar qualquer utilizador individual em particular”, lê-se na política de privacidade.

Os criadores da app sublinham ainda que poderão ser usados cookies e “tecnologias semelhantes” para recolher informação sobre a forma como os indivíduos utilizam a FaceApp e de maneira a fornecerem ao utilizador outras funcionalidades, assim como anúncios publicitários direccionados.

As informações de arquivo de registo (log file information) são também enviadas automaticamente pelo browser. “Quando utiliza o nosso serviço, os nossos servidores registam automaticamente determinadas informações do arquivo de registo, incluindo o seu pedido da Web, endereço IP, tipo de navegador, páginas de referência/saída e URLs, número de cliques e a forma como interage com os links no serviço, nomes de domínio, páginas de entrada, páginas visualizadas e outras informações. Também podemos reunir informações semelhantes de emails enviados para os nossos utilizadores, que depois nos ajudam a monitorizar quais emails são abertos e em que links os destinatários clicam”, detalha a política de privacidade.

Os responsáveis pela aplicação admitem ainda a recolha de “identificadores de dispositivos”, pequenas estruturas de dados que, como o nome indica, permitem identificar o dispositivo nos casos em que os indivíduos utilizam a app através de aparelhos móveis como telemóveis ou tablets.

A FaceApp esclarece também que “não recolhe intencionalmente” informação de menores de 13 anos – se o fizer, mesmo “sem intenção”, é obrigada a eliminar essa informação.

Na política de privacidade, é esclarecido também que a empresa usa a informação que recebe para “melhorar e testar a eficácia do serviço, desenvolver e testar novos produtos e recursos, monitorizar métricas como o número total de visitantes, tráfico e padrões demográficos, diagnosticar ou corrigir problemas tecnológicos, e para actualizar automaticamente a web”.

A informação que a FaceApp recolher pode ainda ser partilhada com os seus parceiros, como empresas de publicidade, empresas afiliadas, ou com organismos terceiros que ajudem no desenvolvimento do serviço da aplicação. Por sua vez, estas informações podem ser armazenadas e processadas nos Estados Unidos ou em qualquer outro país em que a FaceApp, as empresas afiliadas, ou os provedores dos serviços tenham instalações. Estes podem também transferir entre si dados pessoais dos utilizadores mas também informações do seu país e jurisdição.

Em 2017, além de já se denunciar as políticas de privacidade que estavam a ser negligenciadas pelos utilizadores, levantou-se também a questão de a aplicação ter efeitos (como o efeito sparkle) que branqueiam o tom de pele dos utilizadores, o que levou a empresa a fazer um pedido de desculpas público.

FONTE/PUBLICO.PT

Categoria:Internacional