Presidente da FESA libertado, aplicado termo de identidade e residência como medida de coacção

O presidente da Fundação Eduardo dos Santos (FESA), Ismael Diogo, detido no passado dia 28 de Setembro, por suspeita de peculato no caso do Conselho Nacional de Carregadores (CNC), acaba de ser posto em liberdade mas sujeito à medida de coacção mais leve aplicada a quem é constituído arguido, disse ao NJOnline fonte da Procuradoria-Geral da República (PGR).


Depois de ter sido detido, como explicou a mesma fonte, por ter ignorado várias notificações da PGR para prestar declarações no Âmbito de um processo onde é suspeito de ter recebido vários milhares de dólares indevidamente do Conselho Nacional de Carregadores, Ismael Diogo da Silva viu agora a condição de detido ser substituída pela medida de coacção de termo de identidade e residência.


Com esta medida, a mais leve para quem é constituído arguido, o presidente da FESA fica obrigado a apresentações periódicas junto do Departamento Nacional de Investigação e Acção Penal (DNIAP) da PGR.


Ismael Diogo da Silva foi encaminhado para a comarca de Viana no passado dia 28 por se ter recusado a comparecer para prestar declarações no processo onde é suspeito de ter ficado de forma irregular com vários milhões de dólares pertencentes ao CNC, - onde desempenhou um cargo de responsabilidade - e do qual resultou também a detenção do ex-ministro dos Transportes, Augusto Tomás, detido preventivamente no Hospital Prisão do São Paulo desde o dia 21 de Setembro, onde, entre outros crimes, é suspeito se se ter apropriado de verbas do CNC.


Antes da detenção, segundo fontes judiciais, Ismael Diogo, tinha-se livrado dos seus telefones e mudado de habitação.


Sob a alçada deste processo judicial em investigação no DNIAP, para além de Augusto Tomás, estão ainda detidos outros quatro ex-responsáveis pelo CNC.


Recorde-se que o ex-ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, está indiciado dos crimes de peculato, corrupção, branqueamento de capitais, entre outros, puníveis pela Lei 3/14, de 10 de Fevereiro, de acordo com um comunicado divulgado pela Procuradoria-Geral da República.


FONTE/ NJ

Categoria:Nacional

Deixe seu Comentário