Bornito de Sousa discorda modo de contestação contra governador de Malanje

Os actos de apedrejamento e afronta às autoridades, protagonizados na quarta-feira, por cidadãos que exigiam a saída de Norberto dos Santos, do cargo de Governador Provincial de Malanje, não reflectem o sentimento do povo malanjino, considerou hoje (quinta-feira), em Luanda, o Vice-presidente da República, Bornito de Sousa. 

Aproveitando a presença do Vice-presidente da República em Malanje, para orientar o acto central do 16º aniversário da paz e reconciliação nacional, assinalado na quarta-feira, vários populares apedrejaram viaturas e exigiam a exoneração do governador Norberto do Santos, a quem acusam de prática de nepotismo, peculato e incompetência. 

De acordo com Bornito de Sousa, informações preliminares e não definitivas ligam a manifestação a um grupo de moto-taxistas, vulgarmente chamados “kupapatas”, descontente com medidas do governador tendentes a reduzir o número de acidentes, que provocavam uma média de sete a nove mortes diárias. 

O Vice-presidente disse ter consciência de que a actividade garante o sustento de muitos jovens, mas que o comportamento tido não reflecte o sentimento e o carácter do povo de Malanje, que “é participativo, pacífico, patriótico, que sofreu sacrifícios durante a guerra e quer ver o desenvolvimento da província e do país”. 

A Polícia Nacional dispersou os jovens que tentavam protagonizar a manifestação contra o governador de Malanje. A manifestação teria como móbil um protesto contra a decisão do governo da província que proibiu, em 2016, os moto-taxistas de circularem no centro da cidade, devido ao alto índice de sinistralidade, após consulta ao Conselho Provincial de Auscultação e Concertação Social. 

Naquela altura, as estatísticas davam conta de que o índice de sinistralidade rodoviária, envolvendo moto-taxistas, era de seis a sete mortos por dia e cerca de 50 feridos. 

O Governo da província decidiu também pôr fim ao serviço de moto-taxistas não licenciados e sem capacete. 

Descontentes com medida proibitiva, os moto-taxistas têm criado agitação na cidade, recorrendo à violência e, em muitos casos, a desacatos às autoridades policiais.

FONTE: ANGOP

Categoria:Nacional

Deixe seu Comentário